Concurso público ou emprego no setor privado?

Muitas pessoas têm me perguntado algo que, à primeira vista, está fora da lista de assuntos que deveriam ser debatidos no site: “o que é melhor? estudar para um concurso público ou tentar batalhar no setor privado como empregado?”. Apesar de parecer algo que está fora da temática do site, entendo que é uma pergunta bem interessante para quem pretende investir. Afinal, para o pequeno investidor, o primeiro passo para começar a investir é justamente definir como vai ganhar o pão de cada dia  e administrá-lo – e um cargo público ou um emprego privado são duas opções a serem consideradas.

1. Concurso público: garantia de renda alta?

Todos temos pré-concepções a respeito de qualquer assunto. Mesmo que não entendam nada de um tema qualquer, as pessoas gostam de “meter o bedelho” e opinar. Quem aqui não fez isso em algum momento de sua vida? Deu sua opinião sobre o tratamento de um conhecido sem ser médico, dá pitaco sobre como a economia do país deveria ser gerida sem saber nada sobre economia? Quando eu advogava, era comum que meus clientes chegassem ao escritório dizendo que argumentos eu deveria utilizar na petição. Em alguns casos, eu tinha que dar um “chega pra lá” e reafirmar que era o profissional e que eu saberia como defender melhor seus interesses perante um juiz.

Uma das pré-concepções mais difundidas talvez seja a de que o concurso público é garantia de sucesso financeiro. É só estudar alguns meses (ou anos) para um concurso e lá vai estar um cheque polpudo no fim de cada mês. Aqui em Brasília, esse tipo de pensamento está disseminado por toda a cidade. Os cursinhos para concurso estão lotados de alunos que têm essa expectativa, e muitos pais incentivam os filhos a prestar um concurso voltado para o nível médio antes mesmo de eles entrarem numa faculdade. Muitos até preferem que os filhos sejam servidores públicos a portadores de um diploma de curso superior.

Segurança e alta renda. Parece fantástico, não é?

Mas a realidade é bem diferente. Embora alguns concursos proporcionem realmente uma renda bem interessantes, aconcurso maioria oferece menos. Bem menos. Brasília é uma exceção a essa regra porque boa parte dos cargos oferecidos são federais. Mas concursos estaduais e municipais normalmente oferecem salários bem menos atrativos que os da capital.

Subscribe to our mailing list

* indicates required Digite seu e-mail *

Mesmo entre os concursos federais, existem cargos que pagam bem menos do que os polpudos salários que são muitas vezes anunciados pela mídia. Se um juiz federal ganha em torno de R$ 20.000,00 por mês, um analista administrativo de um Ministério ganha cerca de 10% desse valor, em torno de R$ 2.500,00. Um técnico administrativo do Poder Executivo ganha em torno de R$ 2.000,00. Um procurador da fazenda nacional ganha seus R$ 15.000,00 por mês, e um consultor legislativo no Senado Federal recebe mensalmente um valor bem próximo ao do juiz que mencionei. Mas um Analista Judiciário de um tribunal federal recebe bem menos, em torno de R$ 6.500,00 no início da carreira. Para ganhar mais, ele deve receber função – e na maior parte do Poder Judiciário elas são bem raras, além de não se incorporarem ao vencimento mensal para efeitos de aposentadoria.

Se você percebeu bem, os melhores salários conseguidos a partir de um concurso público são acessíveis, na maior parte das vezes, a profissionais da área do Direito. Embora haja concursos específicos para áreas sem especialização, a maioria dos “super salários” é destinada a pessoas formadas em direito. Se você não é formado em direito, as chances de conseguir um salário de R$ 15.000,00 diminuem bastante. E, se você vive em outro lugar que não seja Brasília, as chances diminuem mais ainda (e em Brasília a concorrência é avassaladora). Um juiz de direito estadual, em determinados Estados da federação, tem uma renda bem abaixo dos R$ 20.000,00 de um juiz federal – às vezes, na casa dos R$ 10.000,00, um valor próximo ao recebido por um analista judiciário federal com uma boa função. É bastante, no contexto do Brasil como um todo, mas estamos falando de um juiz – um sujeito que se formou em direito, passou alguns anos estudando especificamente para ser aprovado neste concurso e teve que ralar ainda alguns anos trabalhando em outra profissão jurídica a fim de conseguir satisfazer os requisitos previstos na lei para ocupar o cargo. Não é fácil.

Essa é a realidade do serviço público: alguns cargos pagam muitíssimo bem, mas eles são a minoria, e dependem de muito esforço. A maioria dos cargos (principalmente nos Estados e Municípios) paga muito pouco. E, se você acha que o esforço é necessário apenas para alcançar o cargo, não se engane. Os servidores públicos trabalham, e trabalham muito. Aquela ideia de que o servidor público trabalha pouco faz parte do passado.

Existem também, claro, aqueles servidores que ganham muito porque incorporaram gratificações ao longo de sua carreira. Esse tipo de situação, contudo, também faz parte do passado: a lei, hoje, proíbe que os servidores incorporem funções, gratificações e outros “penduricalhos” de seus salários, que geraram casos absurdos de servidores públicos comuns com salários astronômicos, superiores inclusive ao teto que a Constituição estabelece.

2. Mas o setor privado paga menos do que o alcançado por meio de um concurso…

Alguém poderia dizer que, mesmo assim, o setor privado ainda paga menos que o serviço público. Infelizmente, esta ainda é a regra. Mas, por outro lado, o setor privado abre as portas para muitos caminhos que podem se tornar, ao longo dos anos, mais rentável para quem aposta nele. Se você conseguir crescer bastante em uma boa empresa, com certeza terá acesso a salários melhores do que os pagos pelo serviço público, em média.

Alguns cargos públicos distorcem o que deveria ser a lógica do mercado. Sendo estável, um servidor público deveria receber menos do que um empregado do setor privado que exerce atividade semelhante. Por quê? Porque a estabilidade tem valor econômico, oras! Se você não tem quase nenhuma chance de ser demitido arbitrariamente, isso significa que você tem um direito que pode ser quantificado economicamente. E, se você exerce a mesma função de um empregado do setor privado, deveria receber menos do que ele. Mas infelizmente não é o que acontece em alguns casos, nos quais um servidor apenas mediano ganha muito mais do que ganharia no setor privado.

3. Conclusão: prestar um concurso público ou arriscar na iniciativa privada?

Tudo depende de seu perfil. Você tem condições de sentar a bunda na cadeira e estudar horas a fio, por alguns anos, para tentar conquistar uma vaga que pague um bom salário no serviço público? Se você vai ter que trabalhar e estudar para o concurso ao mesmo tempo, suas chances já diminuem bastante: você vai ter umas quatro horas de estudo, já cansado, e vai ter uma concorrência de algumas pessoas que podem estudar, descansadas, oito ou nove horas por dia. É claro que há casos de pessoas que conseguiram passar em um bom concurso estudando enquanto trabalhavam, mas nem todo mundo tem essa possibilidade.

Além disso, se você é uma pessoa inovadora, empreendedora e qualificada para o mercado de trabalho, não suporta a ideia de ficar 8 horas estudando para uma prova de concurso, e pode viver sem a segurança de uma renda mensal fixa, pode vir ganhar mais no setor privado do que no setor público. É mais desafiador, menos garantido, mas os ganhos são potencialmente muito superiores. Não é a realidade da grande massa trabalhadora, que ganha menos do que muita gente no serviço público – mas, infelizmente, essa mesma massa não tem qualificação alguma para conseguir se sobressair. Mas não se engane. É necessário muito esforço e dedicação para ganhar uma boa renda, seja por meio da aprovação em um bom concurso, seja na investida em um emprego no setor privado.

Está gostando desse artigo? Coloque seu email abaixo e seja o primeiro a receber todas as novidades sobre educação financeira.
Receba em seu e-mail um curso GRÁTIS de investimento no mercado de ações

Seu e-mail não será divulgado. Sua privacidade é prioridade na política de transparência do blog.

Fábio Portela é investidor desde 2006 e disponibiliza neste site seus conhecimentos adquiridos ao longo do tempo, seja com sua experiência, seja por meio das leituras que fez ao longo dos anos. O autor é mestre em Direito Constitucional e em Filosofia pela UnB, e atualmente cursa doutorado em Direito Constitucional na mesma instituição.

  • http://www.arake.com.br Henrique Arake

    Hehehe ESSE POST eu quero acompanhar de perto a repercussão.

  • Manoel

    Lógica do mercado não funciona com poder… Já viu algum rei pobre pq a garantia de nobreza hereditária tem valor econômico?

    • Fábio Portela

      Alguns perderam a cabeça quando começaram a ver que os gastos com a nobreza eram desperdício… rs.

  • Nélio

    Bom post, Fábio, mas queria saber a SUA opinião. A conclusão de que “tudo depende de seu perfil” é a mais em cima do muro possível… rs…

    Queria fazer uma ressalva no que tange à quantificação econômica da propalada “estabilidade”: ela é exatamente igual ao valor do FGTS que os servidores públicos NÃO possuem. Como advogado, você deve saber que até os celetistas já gozaram de estabilidade no emprego, após dez anos, mas desde a criação do FGTS isso não é mais possível.

    Pessoalmente, trocaria feliz minha suposta estabilidade por uma poupança de 8% do meu salário todo mês. Assim como trocaria meu recolhimento de 11% sobre o BRUTO do meu salário pelo recolhimento dos mesmos 11% sobre o TETO, como no caso dos celetistas. Com certeza eu faria melhor uso do que me sobraria ao final do mês, e me aposentaria com bem mais do que o meu último salário da ativa.

    Sobre concursos públicos de um modo geral, há muita mística em torno da dificuldade de aprovação. Tudo depende do cargo (não necessariamente do salário) e do nível da concorrência para o cargo (e não do número absoluto de concorrentes). Mas isso é assunto pra MUITAS linhas…

    • Fernando

      Nelio

      Permita-me discordar. Eu prefiria recolher 11% em cima do bruto para me apostentar INTEGRALMENTE com meu ULTIMO SALARIO. O FGTS é uma poupanca? Nao creio, pois nao rende absolutamente nada, nao cobre sequer a inflacao.

      Vou tentar fazer um calculo bem simples. Cara no setor privado começa ganhando 5 mil e chega a 10 mil ao fim de 30 anos. A progressao do salario é linear, o que significa que ele ganhava 7,5 mil com 15 anos de servico. Ele acumulou no FGTS aprox R$ 250 mil nesse periodo, lembrando que a correcao do valor é inferior a inflacao. Isso equivale a 25 meses de ultimo salario. Nesse mesmo periodo ele contribuiu com aprox R$ 170 mil de INSS, sempre no teto. E devera receber portanto R$ 3912,00, que é o teto. Em 10 anos de aposentadoria ele terá recebido aprox R$ 510 mil de aposentadoria, mais os R$ 250 mil do FGTS, tendo para isso gasto R$ 170 mil. Balanco liquido de R$ 590 mil

      Vamos agora ao caso do servidor publico que ganhava a mesma coisa e recebeu os mesmos aumentos, nos mesmos periodos, mas contribuia com 11% do bruto e se aposentou integralmente com o ultimo salario. Os 11% vao lhe custar ao longo de 30 anos aprox R$ 330 mil. Com a aposentadoria integral, no ultimo salario, em 33 meses ele recupera o que ele gastou, certo? Considerando que a contribuicao de 11% se estende a propria aposentadoria, ao inves de 33 meses, sao 37. Vamos ver como fica após 10 anos: o funcionario publico recebeu R$ 1,16 milhao e gastou R$ 320 mil, balanco liquido de R$ 840 mil.

      Portanto, caro Nelio, se voce tem alguma duvida, basta pegar a calculadora. O problema é que o funcionario publico nao contribui proporcional ao que ganhara na aposentadoria. Pode ter trabalhado 25 anos de auxiliar administrativo ganhando R$ 4 mil por mes (e contribuindo com apenas R$ 440 por mes) e depois trabalhar 5 anos como juiz ganhando R$ 20 mil, que se aposentava com R$ 20 mil. Dai a “matemagica” nao funciona… E é por isso que o governo tem feito algumas reformas para reduzir essas incoerencias

      Abracos

  • Adriano

    Concurso sem dúvida nenhuma.
    Sou formado em Direito e passei em um concurso não exclusivo de bacharel em Direito. Paga 12.900 inicial. Hoje ganho 15.000 devido a progressões e promoções na carreira.
    Acho fantástico. A União é uma mãe. Òtima padroa.
    É a minha opinião.
    Valeu!

    • pensadorlivre

      esse eh o problema do brsail

      o Estado inchado suga da iniciativa privada para dar aos pelegos coçadores de saco

      ESTADO COMUNISTA ASSASSINO

      • Wallace B. Souza

        Dane-se a iniciativa privada… Pagam o que querem, a jornada de trabalho depende da “boa” vontade de patrão, chefe, humilhação, exploração.. Fé em Deus passarei num concurso público!

  • http://www.opiniaoadm.com.br Opinião de Administrador

    Acredito que o que resume bem suas observações é a primeira frase do penúltimo parágrafo: “Tudo depende de seu perfil”. A dinâmica de uma empresa estatal é diferente de uma autarquia ou órgão da administração direta. Há diferenças também se um concurso é de nível federal, estadual ou municipal. Algumas áreas do setor público oferecem desafios tão grandes ou maiores que o setor privado, pagando bem para isso. Em contrapartida, há entidades públicas cujo marasmo, a ineficiência e a incompetência irritam aqueles que poderiam ter um desempenho profissional superior no setor privado. Ademais, é possível que num emprego público se consiga conciliar de maneira mais interessante a vida pessoal e a profissional. Por outro lado, empregos privados que pagam bem também pressionam mais. É como você disse, tudo depende do perfil.

    Bruno Saavedra

  • Andre Luiz

    Uma maneira de unir as duas coisas é fazendo concurso para Empresas Públicas ou Sociedades de Economia mista. rsrsrs

    O empregado público acaba gozando de uma estabilidade maior que a do privado e com as vantagens deste como FGTS, abono salarial, participação nos resultados, vale alimentação polpudo etc. Para melhorar ainda não precisa de lei para reajuste salarial, como os servidores públicos. hehehe

    Abraço, Fábio.

  • http://financasforever.blogspot.com Evertonric

    Estou de acordo com que disse André Luiz logo ai acima, e vou além, se vc trabalha no setor privado, pode perfeitamente estudar e participar de concursos publico, se passar e for chamado para atuar. ok. Maravilhoso. Lembre-se que nem sempre vc é chamado se não for os primeiros da lista de aprovados.
    .
    Porém tbem pode começar no empreendedorismo, criando uma pequena empresa de vendas ou serviço, no entanto “part-time” e se o negocio der certo, bola pra frente.
    Abandona o setor privado e vá ser empreendedor, que eu particularmente acredito ser o caminho mais curto para ganhar dinheiro e investir em sua independencia financeira.
    Um forte abraço a todos.
    EvertonRic

  • fabio

    Já pensou em ser dono de cartório?

  • http://www.efetividade.blog.br Jônatas

    Bem ponderado o texto Fábio, parabéns!
    Destaco está parte: “Sendo estável, um servidor público deveria receber menos do que um empregado do setor privado que exerce atividade semelhante. Por quê? Porque a estabilidade tem valor econômico,”
    Visão interessante, vou pensar a respeito.

    Sou servidor federal, administrador. Já escrevi em meu blog alguns textos sobre o assunto, deixo o link de três deles.
    http://www.efetividade.blog.br/2010/11/16/o-servidor-publico-e-o-ambiente-de-trabalho/
    http://www.efetividade.blog.br/2010/04/21/e-bom-ser-funcionario-publico/
    http://www.efetividade.blog.br/2010/01/27/funcionario-publico-e-vagabundo/

    Abraço!

  • Eduarda

    Parem com isso. Vão arriscar no mercado…tentem ganhar bem no mercado façam coisas interessantes. Tentem buscar realização profissional enquanto são jovens. Caso não consigam, daí sim…prestem concursos.

    “Os servidores públicos trabalham, e trabalham muito. Aquela ideia de que o servidor público trabalha pouco faz parte do passado.”

    É falsa a afirmativa. Poucos trabalham, muitos simplesmente coçam. Tentem procurar alguma estatística sobre realização profissional x felicidade e bem estar no funcionarismo público. Não conseguirão. Sou do Bacen. Já fui do MPOG.

    Eduarda.

    • Andre Luiz

      Como em todo lugar, tem quem se esforce mais e outros menos. A diferença é que na iniciativa privada o problema é fácil de resolver, pois basta dispensar o empregado.

      Porém, tenho conhecimento de que em empresas privadas também existem os “enrolões” e que não são mandados embora: filhos de sócios ou de clientes, amigos dos donos, amantes de altos funcionários, puxa-sacos etc. Os que passaram em processo seletivo acabam trabalhando, para essa fauna retrocitada ficar com os créditos.

      Abs.

    • Funcionária Pública

      Concordo plenamente com a Eduarda, serviço público é uma porcaria, pura burocracia, funcionários depressivos e muitos se aposentando por invalidez por ficarem simplesmente sem “noção” das coisas e não se arriscarem em novos desafios. Se você deseja realização profissional não recomendo concurso, mas se achar que uma boa remuneração e estabilidade(regime estatutários) lhe farão feliz…(com o tempo essa ilusão acaba).
      O grande problema é que nem todos conseguem, também, uma boa colocação em empresas privadas por terem competência, mas não terem o “perfil” requerido, e acabam indo trabalhar em empresas privadas bem piores que os órgãos públicos, aí sim a iniciativa pública torna-se o “paraíso”, mas se conseguir emprego em uma boa empresa ou tiver sua própria empresa não o abandone, porque nem todos, mesmo os jovens, têm essa oportunidade.

  • http://wallysou.com wally

    bom post, Fábio, apesar das opiniões divergentes, concordo – em linhas gerais – com seu post.

    e olhe q trabalho em um órgão onde um colega pediu pra sair pq n estava satisfeito com o trabalho desempenhado (ele era dr, phd). E olhe q ele ganhava 12k…

    mas, em parte, isso se deve à natureza humana, ser divergente, dinâmico, etc.

    abs,

    wally.

  • http://www.blogjjean.wordpress.com Jean Jacques

    Eu sou um dos que optaram pela carreira publica, sonho ainda não alcançado,mas os concursos publico ao menos em São Paulo e a nível tanto federal como estadual pagam salários acima da média, por hobby gosto de estudar o mercado de trabalho brasileiro, e vejamos alguns casos reais e comprovados, aqui em meu estado a terceirização virou uma febre entre as grandes empresas, a terceirização consiste basicamente em repassar serviços secundários a uma empresa em troca de um pagamento normalmente por serviço executado, resultado disso tudo a empresa principal quer economizar e a empresa terceirizada também para aumentara margem de lucro e isso acaba estourando no funcionário que em muitas empresas pasmem! A pessoa ainda tem que levar marmita, não tem expectativa de crescimento e quando ganha muito é R$1150,00, mas não é raro achar salários de R$900,00 ou R$750,00 já em concursos públicos funções administrativas não saem por menos de R$ 1600,00 é possível também com apenas segundo grau obter salários de até R$3500,00 o que é um bom negocio, já que para ganhar isso na iniciativa privada somente alcançando níveis gerenciais e já com curso superior, inglês avançado, no mínimo 2 anos de estágio ganhando um salário irrisório, e fazendo alto investimento em educação já que hoje qualquer um tem ou faz faculdade que antes era diferencial hoje é requisito.

    Já no setor publico uma simples prova te coloca em um emprego com estabilidade, menor pressão, segurança para realizar projetos pessoais, avanço na carreira por merecimento ou tempo de serviço, enquanto no setor privado o sobrinho, o cunhado, a filha do diretor pode tomar o local de alguém realmente competente.

    Mas como diz Willian Douglas, concurso publico é uma fila que você um dia chega a sua vez, e vale apena você estudar até passar, conheço gente que já foi reprovada em 6 ou 7 concursos, outros reprovados 19 vezes e hoje alcançaram o que queriam e fariam tudo de novo.

    Não importa se você vai estudar depois de um dia estafante de trabalho, e vai concorrer com quem tem tempo disponível, ao menos comece estudar se for reprovado no próximo concurso você estará mais preparado como diz um versículo bíblico: Quem fica olhando o vento não semeia, ou seja, quem olha crises nunca investira na bolsa, quem olha concorrência não presta concurso, quem olha estatística não vira empreendedor e somente vence quem luta.

    • Zão

      Essas palavras do ilustre juiz-concurseiro são uma grande bobagem. Se concurso fosse uma fila em que algum dia chega a vez de todo mundo, não haveriam vagas suficientes.

      De fato, quem não luta não vence, quem olha estatística não vira empreendedor e quem é paranóico com crises não investe na bolsa. Também é fato que em qualquer campeonato, para cada lutador campeão há vários derrotados, para cada empresa bem sucedida há dezenas outras que fecham as portas (estatística do SEBRAE), e há MUITA gente que perde dinheiro na bolsa.

      O conselho do Fábio é bom. Quem deseja tentar concurso, avalie honestamente se está preparado para isso. Você tem paciência e disposição para estudar várias horas por dia? Consegue lidar bem com a frustração de ser reprovado e seguir adiante? Tem capacidade intelectual ao menos mediana? Tem alguma dificuldade de aprendizado? Consegue ter disciplina? Pessoas são diferentes, e nem todas têm as mesmas capacidades. Essa pode ser uma afirmação “politicamente incorreta”, mas nem por isso deixa de ser verdade.

      O fato é que a maioria das pessoas que prestam concurso público não entra no serviço público. Os concursos atuais são como competições de alto desempenho. Então, se a pessoa se sente capacitada, vale a pena, pois em minha opinião é uma carreira recompensadora. Mas não acreditem na balela de que “qualquer um é capaz de passar em concurso público”, pois não é verdade, da mesma forma que todos podem correr, mas nem todo mundo tem capacidade para ser um corredor olímpico, por mais que treine. E não ser um corredor olímpico não te torna um ser humano inferior ou de segunda categoria. Uma pessoa que tenha essa consciência, e não se sinta capacitada, pode economizar bastante tempo, dinheiro e frustração, e buscar desde já outras áreas em que pode se sobressair ou se sentir bem.

      E claro, a avaliação de sua própria capacidade é uma tarefa que cabe somente à própria pessoa.

      • http://www.blogjjean.wordpress.com Jean Jacques

        Para mim concurso publico é investimento em educação intelectual, concordo que não é qualquer um que passa, mas vejamos as materias de Português, Matemática e informática costumam se repetir ai faz todo sentido a fila dita por Willian Douglas aqueles que estudam e mesmo que forem reprovados já estarão a frente de outros, já os conhecimentos específicos que é a parte de direito acredito que também seja questão de tempo e insisto quem olhar dificuldade nada faz, por exemplo quem vai abrir um negocio próprio sabendo que 76% das empresas vão a falência em 5 anos ?

        • http://www.arake.com.br Henrique Arake

          Cerca de 20% da população economicamente ativa brasileira.

      • Murilo

        O que um homem pode fazer o outro também pode!! Todas as pessoas não estão na fila dos concursos porque 80% não tem tempo, ou não gostam de estudar ou inúmeros outros problemas e desculpas que garantem a vaga dos mais estudiosos, organizados e determinados(minoria)!!

  • Samuel Souza

    Lembro desse assunto ser abordado na rádio algumas vezes pelo comentarista corporativo Max Gehringer. Fui atrás e achei alguns links bastante interessantes:

    “A volta dos que não foram – a dificuldade de aprovação e
    o buraco no currículo”:
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/max-gehringer/2010/07/28/A-DIFICULDADE-DE-APROVACAO-EM-CONCURSOS-PUBLICOS-E-O-BURACO-NO-CURRICULO.htm

    “Concurso público custa tempo e esforço. É preciso foco”
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/max-gehringer/2010/10/21/CONCURSO-PUBLICO-CUSTA-TEMPO-E-ESFORCO-E-PRECISO-TER-FOCO.htm

    “Já prestei mais de 30 concursos e nunca passei em nenhum”
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/max-gehringer/2010/04/09/JA-PRESTEI-MAIS-DE-30-CONCURSOS-MAS-NUNCA-PASSEI-EM-NENHUM.htm

    “Concurso público. A primeira ou última opção de um jovem?”
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/max-gehringer/2008/10/02/CONCURSO-PUBLICO-PRIMEIRA-OU-ULTIMA-OPCAO-DE-UM-JOVEM.htm

    Abraços,

    Samuel.

  • Jailson

    Olá Fábio… parabéns pela escolha do tema. Gostei da discussão.
    Abraço.

  • Pensando além do salário

    É claro que para o contexto do blog, estamos analisando meramente pelo fator financeiro. Para mim, que optei pelo setor privado, o maior incentivo foi o fato de “poder” escolher aquilo em que quero trabalhar. Não estou satisfeito com essa empresa? Consigo trocar. Não estou satisfeito com meu cargo? Estudo e consigo trocar. Isso não acontece na maioria dos cargos públicos. Ficar 1/3 da sua vida fazendo algo que talvez nem gere satisfação pessoal? Infelizmente é isso que acontece para a maioria dos que estão no emprego público.

  • Alberto Lopes

    Antes de decidir entre o público e o privado, deveria-se pensar primeiro em qual profissão seguir.

    • Celso

      Uma pessoa que irá conseguir um bom futuro profissional ou que já consegue se destacar, tanto no público como no privado.

  • dimarcinho

    Fábio,

    achei interessante seu post, pois fiquei instatisfeito com a iniciativa privada (por n+1) motivos e busquei concurso público e acabei entrando na Petrobras.

    Você comentou no post sobre “rentabilidade” superior ao longo da carreira. Vc quis dizer salário, correto?

    Eu fiz uma análise de VPL de um cara que comece hj ganhando 13mil (que foi o salário do último concurso do Banco Central, para qq nível superior) e de um que começasse ganhando 5mil e fosse ganhando sucessivos aumentos ao longo da carreira. Acho que fiz terminando a carreira com 30mil.

    Sugiro que faça a conta e dê uma olhadinha no resultado!

    []s!

    • Celso

      Típica pessoa que tem o perfil adequado para um cargo público.

  • sylvia

    Sou funcionária pública, por enquanto, e infelizmente o serviço publico é um lixo. Não somos estimulados a crescer, não temos reconhecimento, não temos aumento de salário. Só devemos fazer o que a lei manda por mais arcaica e absurda que ela seja. Acumulamos montanhas de papéis porque a mentalidade das pessoas ainda exigem tal retrocesso. Enfim, não prestem concurso público!!!!

    • Celso

      É isso aí. Acho que concurso público é ótimo para quem tem um perfil: medrosa e acomodada.

      • Fábio Portela

        Não necessariamente, Celso. O serviço público tem muita gente boa, competente, que não é medrosa ou acomodada.

    • Diego

      infelizmente isso é verdade na maioria dos orgãos

    • Ivis

      A questão é: Precisamos de dinheiro num mundo capitalista, se a pessoa é competente e as empresas privadas(boas) não lhe dão oportunidade, só as de fundo de quintal, em trocentas entrevistas já realizadas, você tem que primeiro superar isso, o que não é fácil, e fazer um concurso(e olhe que não vai ser tão simples passar). Então você verá que no serviço público que muitas pessoas têm esse perfil de terem superados decepções pra alcançarem ao menos uma boa remuneração.

    • Murilo

      Hummm…Se é tão lixo por que você não vai para a iniciativa privada? Será que é porque daí você terá que trabalhar muito e ganhar pouco? kkkkkkk

  • Diego

    ótimo artigo. Só não concordo quando você fala que trabalhar + estudar vai dificultar. Na minha opinião não, pois o que importa é QUALIDADE do estudo e não QUANTIDADE. Eu era da Caixa Econômica e trabalhava 8 horas por dia, tinha somente 5 horas para estudar, e mesmo assim consegui ser aprovado no MPU. Continuei estudando e hoje sou servidor do TCU. Isso com poucas horas de estudo por dia. Meu irmão era professor da fundação educacional. Dava aula de manhã, tarde e noite, tinha para estudar somente finais de semana e terça e quinta à noite que não dava aula, hoje ele é Perito Criminal de Polícia Federal.

    O importante é não desistir nunca. Uns levam mais tempo, outros menos, mas com perseverança dá sim para passar em qualquer concurso.

  • Rafael

    Eu sou servidor público, esfera estadual, e trabalho pra caramba. Como já foi citado aqui por outras pessoas, a única vantagem realmente é a estabilidade. É claro que para aqueles cargos top, onde se ganha 10k pra cima, de repente valha a pena. Eu ganho praticamente o mesmo do que colegas meus de profissão ganham no privado, eles com a vantagem do FGTS, que eu acho muito mais vantajoso.

    Já trabalhei no privado como estagiário, mas saí, até porque ninguem quer ser estagiario o resto da vida. Foi uma experiencia crucial pra mim. Ja fui terceirizado também, e não remendo a ninguem.

    No serv público, só é bom pra quem é preguiçoso, acomodado e não liga pra crecimento profissional, aquela questão de “perfil”. Quando trabalhei no privado eu era muito cobrado, mas poderia cobrar dos outros também e no geral todos trabalham.

    No serviço público sempre têm os caras com mais de 20 anos de serviço, e até novatos que não querem fazer nada. Aí meu amigo, você às vezes tem que fazer o seu trabalho e o dos outros para que as coisas andem.

    Penso na possibilidade estudar pra cargos melhores, tipo auditor fiscal, estudar direito pra tentar um cargo grande, mas não sei.

    Hoje, sinceramente considero a possiblidade de voltar para o privado, pois no serv publico o nível de desinteresse das pessoas, stress, más condições de trabalho, política, deixa quaquer um sem motivação e revoltado.

  • http://opequenoinvestidor.com.br/2011/03/concurso-publico-ou-emprego-no-setor-privado/ Ivis Lucchesi Câmara Araújo

    CONCURSO PÚBLICO É PRA TODO MUNDO SIM!
    NÃO ME VENHAM COM ESSA DE QUE PASSAR EM CONCURSO PÚBLICO É DIFÍCIL.
    SUPONHAMOS QUE VOCÊ SE SUBMETA A UMA PROVA DE DIREITO CONSTITUCIONAL. AÍ VOCE FAZ O SEGUINTE: DECORA A CONSTITUIÇÃO E LOGO APÓS ESTUDA O LIVRO DE ALEXANDRE DE MORAES (DIREITO CONSTITUCIONAL) BEM COMO SE MANTENHA ATUALIZADO
    PELO AMOR DE DEUS NÃO TEM COMO ERRA QUESTÃO ALGUMA GENTE!
    ESSAS PROVAS NÃO EXIGEM RACIOCÍNIO!
    É LER A QUESTÃO E MARCAR. PRONTO! NÃO TEM MISTÉRIO NÃO. CONCURSO JURÍDICO, ASSIM COMO OUTROS, SÃO FÁCEIS. DIFÍCIL É FICAR MILIONÁRIO COMO ADVOGADO. AÍ SIM!
    VEM SER EMPREENDEDOR PRA VC SENTIR A PRESSÃO!
    AÍ SIM O DIREITO VAI EXIGIR DA SUA CAPACIDADE DE PENSAR!
    CONCURSO PÚBLICO É ASSIM: SENTA A BUNDA NUMA CADEIRA, ESTUDE E ESPERE CHEGAR A SUA VEZ!
    AH, E LEMBRE-SE QUE QUANDO FOR APROVADO ATÉ RAPARIGA (GOSTOSA É CLARO) GANHA MAIS DINHEIRO QUE VOCÊS!
    OLHA SÓ COMO É QUE É:
    ENQUANTO UM JUIZ FEDERA PAGA UMA DE JUSTIÇEIRO E GANHA MÍSEROS 25.000 MENSAIS, UM JOGADOR DE FUTEBOL DE BAIXO NÍVEL GANHA UNS 50.000

    • http://opequenoinvestidor.com.br/2011/03/concurso-publico-ou-emprego-no-setor-privado/ HENRIQUE

      apoio o comentário do ivis
      a mulher melancia dança o creu na velocidade 3 e ganha mais que um juiz federal em 3 meses.
      o sousa, aquele atacante lixo que jogava no coringão ganhava 200.000 por mês sem ter nem o segundo grau
      sem falar que as decisões de um juiz não servem de porcaria nenhuma num Estado corrupto como o nosso!
      juízes de primeiro grau são humilhados!
      o réu olha pra cara do juiz e diz assim: da logo esta sentença de merda que não vale de porcaria nenhuma pois vou recorrer e tal e tal e tal e vc vai fica frustrado por não ter me condenado seu zé ru…
      CONCURSO PÚBLICO É PARA OS FRACOS!
      O DIFÍCIL É FICAR MILIONÁRIO ATRAVÉS DOS ESTUDOS

    • Samuel Souza

      Ivis, se para você R$ 25.000 por mês é miséria, então vá jogar futebol !!!

      Aliás, procure se informar sobre os milhares de jogadores de futebol que existem país afora, e veja quantos deles conseguem ganhar acima de 3.000 jogando bola.

      Outra coisa: em qualquer esporte profissional, a carreira dura uns 10 a 15 anos, no máximo (em alguns esportes, até menos). Depois disso o sujeito tem que se virar para ganhar a vida, diferente de um servidor que vai ter o salário o resto da vida (em alguns casos, trabalhando ou não).

      Na iniciativa privada existem aqueles que ganham cerca de 15 milhões ao ano (um presidente da Vale ou do banco Safra), mas também são uma minoria da minoria como são os jogadores milionários.

  • Kal

    Eu já senti várias sensações de serviço público e privado. Há 6 anos quando me formei em direito já estava no serviço público há sete anos, estava muito insatisfeito com meu cargo e cheguei até a ter depressão, mas já tinha decidido que quando eu me formasse, tiraria minha OAB e deixaria o serviço público, pelo menos naquele momento. Todo mundo falava: você não é maluco, e a estabilidade? Respondia sempre com a mesma convicção: não pretendo ficar doente aqui e tenho meu valor. E assim aconteceu, formei, e dei um pé no serviço público, claro que foi um até breve. Nesse instante uma nuvem negra se pairou sobre mim, pois estava desempregado: se antes eu tinha plano de saúde, e pensão para minha família no caso de morte, agora não tinha nada………Eis que de repente, em pouco menos de 2 meses após fui contratado por uma universidade privada, por meio de um processo seletivo para o cargo de Advogado Orientador, ufa! Que alívio! Porém, o salário inicial era baixo e claro a ralação seria muita para eu poder ter uma renda razoável. Fiquei três meses nesse cargo, pois logo em seguida passei num concurso público que pagava 5 vezes mais o que eu ganhava como advogado. Não exerço a função de advogado no meu atual emprego, mas gosto muito da profissão. E mais importante: tenho muito mais tempo para realizar meus projetos pessoais do que teria se na inicitiva privada. Mas o que ficou de lição foi que no serviço público anterior eu via as pessoas sempre reclamando e ficando doentes e poucas eram as pessoas que saíam para tentar outra coisa melhor, e eu tive essa coragem e mais, logo depois estava exercendo minha profissão – eu não saberia o meu valor se ali ficasse – às vezes é isso, nós nos subestimamos, achamos que não vamos conseguir ganhar a mesma coisa que no serviço público etc…mas com um certo tempo pode-se ganhar sim. Portanto se a pessoa tá insatisfeita tanto no setor público ou no setor privado deve buscar sua satisfação pessoal e mudar seu rumo.

  • Joaquim

    Não comparem um profissão de grandiosa exposição, como no caso dos jogadores de futebol, com a de um médico ou juiz. Essas duas últimas são, indiscutívelmente, essenciais para qualquer sociedade. Entretanto, um joggador de futebol excepcional, é tratado como um ídolo de uma cidade, Estado ou país, tal qual um baluarte da música ou da arte de representar. Jogadores de futebol dão enormes lucros à seus clubes e é justo que ganhem uma fatia desse bolo milionário, chamado futebol. Pergunta: quem é capaz de vender mais camisas, fotos e pôsteres, Ronaldinho Gaúcho ou um cardiologista renomado? Esses craques são exceção e merecem ganhar o que ganham, até porque, repito, o futebol é um negócio milionário onde os que menos ganham, acredite, são os jogadores.

  • C Gomes

    Servidor Publico 10 x zero, empregado privado.

    Não há o que comparar.
    1- O salário é melhor.
    2- As condições de trabalho são melhores.
    3- A aposentadoria é melhor.
    4- É perene, não tem o stress do pula-pula ou meses desempregado.
    5,6,7,8,9,10 => quando vc passar dos 40 anos de idade, ainda terá um emprego, e se aposentará nele…. já na iniciativa privada….

    ENTRETANTO, ter seu proprio negócio pode ser BEM MELHOR que trabalhar no serviço publico… depende só do seu taco!!

    Existem só duas ocupações: servidor publico ou empreendedor. O emprego privado é apenas um passa-chuva enquanto um dos outros dois não é atingido.

    • http://empreendedorsolo.com.br Luiz Henrique

      Concordo contigo. São dois extremos, e o emprego privado é o meio termo. Para quem tem perfil de risco, empreender é a pedida. Para quem quer sossêgo, emprego público é a solução.

      Lembrando que em ambos (emprego público e empreendedorismo) existe muuuuita ralação no início (seja estudando pro concurso ou trabalhando para firmar a empresa), e uma grande recompensa no futuro, para os que de dedicarem.

  • Lara Picallo

    Raramente entro em fóruns de discussão, mas tenho que confessar, achei esse bem interessante.
    O serviço público, todos sabem, tem se mostrado cada vez mais atraente aos brasileiros. Isso não é à toa. Anos de instabilidade econômica e inflação fazem com que os concursos públicos, e, principalmente a famosa-cobiçada “estabilidade” pareçam atrativos principais quando o assunto é emprego. Pois bem.
    Realmente as carreiras públicas têm vantagens como a estabilidade, carga horária definida, etc. Mas meus caros, não se enganem! Isso não é o suficiente (nem de perto) para escolher o que fazer da vida. A maioria das pessoas presta concurso sem nem saber qual será seu trabalho no respectivo ógão. Anunciados número de vagas e salário nos jornais, tudo parece a chance de uma grande mudança de vida. ACORDEM! Quem sonha com aposentadoria integral: isso está prestes a acabar no Brasil. A previdência tende a ser cada vez mais restrita, inclusive para os servidores público, que, ao contrário do que muitos pensam, não têm direito adquirido à determinado regime jurídico.
    Enfim, o que quero dizer é o seguinte:
    1. Ao contrário do que li nos comentários acima, existem sim, ótimas pessoas no serviço público, que são muito competentes. Isso não é exclusividade da iniciativa privada, nem de perto.
    2. Ao escolher uma profissão simplesmente pela “estabilidade”, pense bem se vale a pena trabalhar com algo desmotivante para o resto da vida, em troca dessa falsa segurança. Isso não é o bastante para ser feliz!
    3. Caso tenha aptidão para o serviço público, preste sim concurso! É possível passar com muito estudo, dedicação, desciplina e, principalmente, persistência.
    4. Não sejam ingênuos. Quem é bom (ou melhor, excelente no que faz) e tem um pouco de sorte, consegue sim se dar muito bem na iniciativa privada, seja como autônomo ou empregado.
    A verdade é, quem se garante se garante.
    Moramos em um país CHEIO de possibilidades, que tende somente a crescer. PENSEM. Basta procurar no lugar certo.
    E não se enganem. DE NADA adianta trabalhar com algo que não possui o mínimo de aptidão. Além de infeliz, essa pessoa, aí sim, provavelmente nunca vai conseguir um salário satisfatório.

    Boa sorte a todos no que escolherem.
    Recomendo que assistam o discurso de Steve Jobs na formatura da faculdade de Cambridge/EUA.

    Lara.

    • Marcus

      Lindo comentário! bem realista!

  • mario

    Olá! respeito a opinião de todos, mas passei para deixar a minha. Eu sou a favor do serviço público. pq? se a meta é ser bem sucedido financeiramente, acredito ser este o caminho. uma boa opção, é prestar primeiramente concurso para cargos mais faceis e com carga horaria de 6h por dia. com isto, vc tera uma renda ja garantida e tempo suficiente para estudar para os concursos TOP sem se preocupar com o chefe querento te demitir ou algo parecido. hj existem diversas areas para atuar no serviço publico, entao a desculpa de que so na iniciativa privada se consegue a realização profissional, nao cola mais. apos isso, abra seu negocio com esposa ou familiares, pois trabalhando 6h por dia se consegue tocar um negocio em paralelo tranquilamente. seu capital de giro sera o seu salario de servidor, ou seja, nunca quebrará. esse é meu plano estrategico, hj sou servidor federal prestes a montar meu proprio negocio. acredito este ser o caminho mais seguro, pra quem nao sabe jogar bola ou cantar qquer coisa nesse nosso brasil.

  • Tadeu

    NEM PÚBLICO NEM PRIVADO – Se VOCÊ quer ganhar dinheiro, muitoooo dinheiro, se divertir, viajar um monte, trabalhar pouco, não precisar de nenhum tipo de estudo, não precisa falar nenhuma outra língua e nem sequer falar português correto, não fazer prova e dar entrevistas para grandes veículos de comunicação em horários nobres, VAI SER JOGADOR DE FUTEBOL. É a profissão mais rentável DO MUNDO.

    • danielpica

      só virar politico kakakakakkakakakakakakak

  • Flavio

    Já trabalhei em multinacional e há 6 anos sou servidor federal. O lugar mais desestimulante, bagunçado e retrógrado onde já trabalhei foi na multinacional, acreditem.

    Hoje sou servidor público, ganho muito bem e estou bem feliz com meu trabalho. Ah, e trabalho bastante, mais do que trabalhava na multinacional (fiquei 6 meses ocioso lá).

    Sei que isso não pode ser tomado como regra. Estou apenas dando meu testemunho.

    Agora, existem carreiras e carreiras no serviço público, assim como existem órgãos bons de se trabalhar e órgãos horríveis. Se alguém que faz concurso para técnico administrativo acha que vai fazer alguma coisa estimulante e desafiadora no trabalho… boa sorte, pois vai precisar de muita!

  • Carlos Cavalcante

    Boa noite, bons discursos é simples: VAMOS A LUTA!!!!!

  • http://www.smc.com.br rmmnetolf

    Serviço público é legal e está mudando. Nosso desafio é atualizá-lo administrativamente, mantendo-o humanizado. A principal vantagem da estabilidade é poder dizer o que pensa. Pena que muita gente não usa.

  • daniel

    na minha opniao acho que a iniciativa privada pode ser mais desafiadora e estimulante. para mim o ideal seria trabalhar em empresas estatais de capital aberto tipo PETROBRAS, FURNAS etc. pois alem de vc ter estabilidade, vai poder ter um plano de carreira, enfim um trabalho mais motivador, possibilidade de desenvolver pesquisa, alem de salarios altos….

  • daniel

    na verdade eu gosto mesmo eh de surfar, trabalho qunto menos melhor hueahaeuhauheauheaeuhuea

  • Rafael Schettino

    Trabalho na área de TI, onde a maioria dos salários do serviço público são bem menores do que na iniciativa privada.
    Em TI, você tem que estudar muito e constantemente, mas consegue bons salários.

  • danielpica

    as elites querem nos matar de trabalhar para encher os bolsos… essa eh a engrenagem do capitalismo

    É NOIS BATENDO DE FRENTE!!

    • http://empreendedorsolo.com.br Luiz Henrique

      Criticamos a elite, mas buscamos ser um deles. Onde está a hipocrisia da atitude? Ou vai me dizer que não queres ter um carro diferente para cada dia da semana, casa de praia, viagens internacionais…

  • jonas

    o setor privado exige mais eficiencia, isso é vc vai trabalhar mais, produzir mais, e ganhar menos as vezes…

    concurso publico a maioria paga pouco, so alguns pocos pagam salarios bons realment…

    entao ten q estudar muito pq a concorencia eh creul..

    vivemos numa democracia cada un dev pensar oq eh melhor e seguir o caminho…

    abraço a todos!

  • seviço publico eh melhor pra ficar coçando saco…

  • OK

    Olá Galera!

    Vou expressar a minha situação…. Trabalhei 9 anos na iniciativa privada, foi uma época em que infelizmente eu fazia muito por pouco… nesse meio tempo prestei um concurso para uma instituição municipal e estou há 3 anos… Pra falar a verdade a minha vida mudou.. e pra melhor… Ainda não estou trabalhando onde desejo, mas aqui mesmo no serviço eu trago os meus livros e sento o pau nos estudos pra conseguir o que desejo internamente. Tenho visto que o mercado privado tem sim oferecendo ótimas ofertas, mas em mim sempre fica o receio de alguma crise, e nem posso pensar em desemprego, por mais que o salário esteja atraente lá fora. Resumindo, a minha ideia é tentar alcançar meu objetivo aqui dentro, se não conseguir, continuo estudando, esperando novos concursos.

    Grato

    • http://empreendedorsolo.com.br Luiz Henrique

      Você estuda dentro do trabalho? Você não devia estar trabalhando? Um dia isso muda, se a sociedade quiser e Deus permitir…

      • Luiz Fernando Dias

        Realmente ele deveria estar trabalhando… Mais fazer o que né, enquanto a consciência do povo brasileiro for igual a deste moço, boa parte do serviço público vai continuar ineficiente. É preciso ajustar a máquina pública. Com relação a emprego público ou privado, sou mais ter uma empresa e trabalhar muito pra trazer algo de bacana pra sociedade.

  • pensadoreconomico

    se voce gosta de trabalhar e aguenta o stress, va pra empresa privada…algumas pagam muito bem…

    mas se vc eh meio preguiçoso, e nao aguenta bronca d chefe aí va fazeh concusso

  • Jailson Passos

    Eu estou no serviço publico por princípios que eu tenho e gosto. No setor privado milhões trabalham para enriquecer alguns, no público eu trabalho para o povo, não enriqueço ninguém, apenas sou um Servidor do Público. No setor privado vc tem que fazer qualquer coisa pelo seu patrão, inclusive passar por cimas das leis para dar dinheiro para ele e a mulher torrar no shopping, mas na vida pública vc pode ser honesto e ganhar seu salário sem passar por cima de ninguém. Só lembrando que preguiça e corrupção no setor privado está cheio. Quem nunca comprou um produto estragado, ou teve alguma coisa que nem entregaram ou montaram tudo errado. Até parece que no setor privado só tem gente boa trabalhando e no setor público só tem gente vagabunda e sacana. Não entendem que a corrupão está em todos os setores da sociedade, e o setor público é só mais um da sociedade.
    Enfim, cada um faça sua escolha, ainda vivemos no país da “livre iniciativa”.

    • Samuel Souza

      Jailson,
      Alguns pontos a comentar de seu comentário:
      “…eu trabalho para o povo, não enriqueço ninguém…”
      Sim, mas está empobrecendo os outros, ou esqueceu que o seu patrão, o povo, é quem paga seu salário ?
      Vi recentemente uma matéria na Época, comentando um estudo que cada emprego aberto no setor público, mata outro no setor privado. Realmente, não só aqui como em muitos outros lugares do mundo o emprego público tem vantagens como estabilidade e salários razoáveis.
      Uma coisa que percebi de muitos comentários aqui é que parece que o pessoal não percebe que a sociedade precisa ter um setor privado forte e funcionando, senão não faz o menor sentido existir o emprego público. Para quê, para mamar dos outros? Basta ver a quantidade de prefeituras abertas país afora após a Constituição de 88 criadas única e exclusivamente para mamar do Fundo de Participação dos Municípios. Mais de 80% (isso mesmo) das nossas prefeituras não são auto-suficientes, precisando de repasses estaduais e federais para pagar Câmaras Municipais e outros penduricalhos que não trazem qualquer benefício em troca, é um ralo sem fundo.
      Emprego público bom é aquele que faz a sociedade funcionar e traz benefícios diretos – professores, pesquisadores, médicos, engenheiros, fiscais, agentes de segurança, etc… O problema que estamos passando é que foram criados muitos cargos de ‘carimbadores de papel’, que exercem funções meramente burocráticas e retrógradas que não precisariam existir se mudássemos algumas vírgulas no processo ou fossem implantadas ferramentas adequadas. Esse tipo de emprego é ruim pois o benefício que a sociedade recebe em troca é nulo ou muito pouco.
      Preocupa-me muito no futuro o fato de termos massas de estudantes apenas para concursos e desinteressarem-se de estudar ou pesquisar outros assuntos que poderiam trazer inovação e progresso para o país. Teremos um monte de expert em máquina pública, e ao mesmo tempo um monte de ignorante em tecnologia, inovação e gestão
      Abraços,

      • Rafael

        Otimo texto, concordo com cada virgula do que voce escreveu.

  • Douglas

    Que horror, não existe quase nada pior do que estar preso a um contrato de trabalho, seja em órgão público ou privado, resquícios da escravidão que ainda persistem em nossa sociedade pouco espiritualizada, prefiro virar escritor, desenhista e trabalhar por conta própria, basta publicar uma obra análoga ao Harry Potter que a sua vida e a de seus filhos e netos está garantida. O que eu quero dizer é que é desconfortável trabalhar em algum,a coisa que você não gosta ou não detenta a vocação, e ainda com o assédio moral a situação fica ainda pior, o vínculo empregatício ainda me lembra escravidão e inferioridade, portanto, se Deus e os espíritos superiores me derem uma forcinha, trabalhei por conta um dia, sem ganhos fixos e nem nada de estabilidade…

    • Visitante

      É meio difícil de seu livro vender como o Harry Potter, veja o número de escritores e o número de escritores de sucesso. Acho que qualquer caminho será difícil, mas se você for forte conseguirá. (claro que tem casos de sorte exemplo Megasena ou então alguma pessoa que faz provas de concurso de empregos bêbado, chuta tudo e passa (já ocorreu casos desses! não sei nem por que deixaram um bêbado entrar na sala, mas…).

  • Mais um engenheiro fudido

    Nunca me importei se o setor fosse privado ou público… nem com dinheiro (não tenho aspirações de riqueza, graças a Deus), contudo, tenho aspirações a qualidade de vida, que considero signifique ter uma renda suficiente para que eu dê saúde à minha família, alimentação e lazer dentro da minha cidade. Fiquei exausto de trabalhar 12-14 horas por dia no setor privado, sem dias de folga, sem respeito às pessoas, infelizmente a legislação trabalhista só é cumprida no setor público. Nosso país é a pior merda que já inventaram, e é fruto da própria sociedade, haja vista que “todo poder emana do povo”… povo de merda.

  • Allan Primieri

    Comentário do @C Gomes “Existem só duas ocupações: servidor público ou empreendedor. O emprego privado é apenas um passa-chuva enquanto um dos outros dois não é atingido.

    E do comentário do @Luiz Henrique (logo acima), depreende-se também que: ambos (emprego público e empreendedorismo exigem muita dedicação, principalmente no início.

    Já no comentário da @Laura Picallo: “Caso tenha aptidão para o serviço público, preste sim concurso! É possível passar com muito estudo, dedicação, disciplina e, principalmente, persistência.”

    Ao que eu concordo plenamente com essas duas ideias.

    Por fim, em consonância com o próprio artigo, serviço público é questão de perfil.

  • Fábio ( Futuro Empreendedor )

    Se você quer apenas MELHORAR de vida, tente a sorte na iniciativa privada ou carreira pública, e a carreira pública acho mais interessante nesse caso. Agora, se você sonha em MUDAR de vida e de sues familiares, se dedique a um empreendimento próprio, as dificuldades são muitas, mas no futuro você vai ter uma realização pessoal e profissional muito além da maioria desse país. Não vá com a boiada, pense fora da caixinha.

  • Julio

    Lembremos que os empreendedores, na maioria das vezes, se tornam o lado “negro” da força de trabalho da iniciativa privada. Quando não são funcionários explorados, são patrões exploradores. Esse é o capitalismo, que não mudou sua essência, a busca pelo LUCRO, desde a primeira Revolução Industrial.
    Já no setor público, a superestimada estabilidade implica na falta de EFICIÊNCIA, coisa que é fundamental na privataria, mas que no serviço público acaba se tornando algo opcional.